░─├┼┴¨║¤▓╩

Caixa corta-fogo deve contribuir para o controle dos incêndios florestais no Pantanal

O fogo tem se espalhado pelo Pantanal e s├│ nas primeiras semanas de novembro j├í foram registrados mais de 3 mil focos de inc├¬ndio, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Al├ęm da onda de calor, o tempo seco e a queima provocada pela a├ž├úo humana tamb├ęm contribuem para o cen├írio preocupante em Mato Grosso do Sul. Como uma forma de contribuir para o controle dos inc├¬ndios florestais, um estudo desenvolvido por pesquisadores da ░─├┼┴¨║¤▓╩ prop├Áe a ÔÇścaixa corta-fogoÔÇÖ .┬á

O projeto, que surgiu no Laborat├│rio de Din├ómicas Espaciais do ░ń├ó│ż▒Ŕ│▄▓§ do Pantanal (Cpan),┬á visa fornecer e instalar unidades de incineradores de res├şduos dom├ęsticos, com o objetivo de prevenir a queima desordenada no dia a dia das comunidades do Pantanal Sul. O objetivo ├ę localizar, mapear e estudar as regi├Áes que s├úo propensas a inc├¬ndios florestais. Em seguida, a proposta ├ę implementar a caixa corta-fogo como uma estrat├ęgia pr├ítica para regular o uso do fogo em comunidades que n├úo disp├Áem de servi├žo de coleta de res├şduos.

A professora do Cpan e respons├ível pela pesquisa, Ana Carolina Faccin, explica que o projeto de pesquisa-a├ž├úo come├žou a ser desenvolvido h├í pouco tempo, em 2023. ÔÇťEm resumo, a ideia ├ę selecionar ├íreas habitadas afetadas por inc├¬ndios florestais recorrentes no munic├şpio de Corumb├í e distribuir ou construir unidades de caixas incineradoras de lixo dom├ęstico, a fim de evitar a queima descontrolada no cotidiano dessas comunidades pantaneiras”, detalha.

A pesquisa foi selecionada no edital Mulheres na Ci├¬ncia Sul-mato-grossense, da┬á Funda├ž├úo de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ci├¬ncia e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect). O diretor cient├şfico da Fundect, Nalvo Franco de Almeida J├║nior, refor├ža que os inc├¬ndios representam uma amea├ža direta ├ás comunidades locais do Pantanal, que dependem dos recursos naturais do bioma para subsist├¬ncia, pesca, turismo e agricultura. ÔÇťPortanto, projetos de pesquisa como o da professora Ana Carolina n├úo apenas contribuem para o avan├žo do conhecimento, mas tamb├ęm t├¬m um impacto social direto nas comunidades, demonstrando de forma clara a responsabilidade da academia em rela├ž├úo ao bem p├║blico. Isso ├ę fazer tecnologia socialÔÇŁ, afirma.┬á

De acordo com a pesquisadora, os inc├¬ndios florestais t├¬m consequ├¬ncias ambientais e financeiras, causando danos ao patrim├┤nio das fam├şlias, al├ęm da vegeta├ž├úo e fauna do nosso pa├şs. “Acreditamos que controlar esse tipo de queimada dom├ęstica ser├í ben├ęfico para prevenir inc├¬ndios florestais potenciais em uma regi├úo que j├í enfrenta secas hist├│ricas na bacia do Rio Paraguai e falta generalizada de ├ígua em ├íreas habitadas”, destaca.

A iniciativa tamb├ęm envolve a colabora├ž├úo de outros pesquisadores, como o professor ├ëlvis Ramos, tamb├ęm do Cpan; os professores Ricardo Castillo e Robson Sim├Áes, da ░─├┼┴¨║¤▓╩ Estadual de Campinas; Thainan Nornato, do┬á Centro Nacional de Preven├ž├úo e Combate aos Inc├¬ndios Florestais; L├şgia Lopes de Santana, da Funda├ž├úo de Meio Ambiente de Lad├írio; e o professor Mateus Sampaio, da ░─├┼┴¨║¤▓╩ Estadual Paulista. O projeto tem um prazo de at├ę dois anos para ser implementado.

Texto: Elton Ricci, com informa├ž├Áes da Fundect

Fotos: Ana Carolina Faccin